8 de outubro de 2015

Roteiro de 6 (seis) dias em Paris



Paris é o destino dos sonhos de muitas pessoas, por conta de sua história, beleza arquitetônica, riqueza gastronômica, polo de artes e moda. Então, nada melhor que um roteiro bem organizado para aproveitar ao máximo a "Cidade Luz".




Quem nunca assistiu o “Fabuloso Destino de Amélie Poulain” e se imaginou em Montmartre? Ou leu “O Código da Vinci” e se sentiu no Louvre? Mais ainda, o inesquecível “Corcunda de Notre Dame” de Victor Hugo e se viu subindo as torres da catedral? Enfim, são tantas referências e lugares inesquecíveis que decidimos te dar uma forcinha compartilhando o meu roteiro de 6 (seis) dias em Paris.

Espero que te ajude. No entanto, não se limite a ele, dê o seu toque especial com sua personalidade e preferencias. Boa viagem e divirta-se!

Obs: Ressalto que este roteiro foi feito priorizando o uso de transportes públicos e caminhadas. Até porque não há melhor forma de conhecer Paris se não andando. :)


DIA 1: Trocadero, Passeio de Barco, almoço na Torre Eiffel, Pont Alexandre III, Place de la Concorde, C. Elysées, Arco do Triunfo.

Dia 1

Para começar o dia, desça da Estação do Trocadero (Metrô).  O Trocadero encontra-se próximo ao rio Sena, diante da Torre Eiffel. Fazem parte do local o Palácio de Chaillot, que abriga diversos museus, jardins, a praça do Trocadero.

Dica I: É um cenário lindo para fazer fotos com a Torre Eiffel ao fundo.

Dica II: Eu fiz apenas um passeio rápido pelo jardim e segui em direção a Torre Eiffel, ou melhor, para o passeio de barco pelo Sena, que fica bem atrás da torre.

Passeio de barco no Rio Sena. Notre Dame ao fundo.

Passeio de barco pelo Rio Sena: existem diversas empresas que disponibilizam o serviço. No entanto, fiz pela empresa Bateaux Parisiens, pois ela possui barcos abertos (sem cobertura, como eu queria) e o trajeto também foi interessante ao meu roteiro, pois partiu e terminou atrás da Torre Eiffel (terminal 3). O valor de 14 euros é cobrado pelo passeio de uma hora. Site da empresa com mais opções, informações e compra: bateauxparisiens.com .
Dica: Economize tempo! Imprima os seus bilhetes e apresente-se diretamente, sem passar pela bilheteria. 
Obs: ADOREI o passeio. Vale muito a pena fazer!

Terminado o passeio de barco, segui para a Torre Eiffel. Como não gosto de enfrentar filas (ninguém gosta, né?) e as filas para subir a torre geralmente são imensas, usei a seguinte estratégia: almoçar na torre. Sim, há dois restaurantes na Torre Eiffel! E para ter esse acesso mais prático, basta ter reservas feitas em um dos dois restaurantes. 
Dica: Mais informações sobre essa ótima estratégia para evitar as filas da Torre Eiffel, você encontrará no post "Almoçar / jantar na Torre Eiffel: por que não?"
Obs: A comida era boa, nada espetacular, mas ainda assim valeu muito a pena por ter evitado a fila gigante! 

Saindo da Torre Eiffel, segui para o Campo de Marte (Champ de Mars), que é um grande jardim em frente a torre. Fiquei algumas horinhas sentada em um de seus banquinhos, curtindo uma música, relaxando e observando o movimento.

Segui caminhando pelas ruas lindas próximas a Torre Eiffel (sim, isso já é um baita passeio) até a Pont Alexandre III. Obs: Além de ser uma linda construção, vale a pena ficar um tempinho as margens do Sena vendo o tempo passar.

Champs-Élysées e o Arco do Triunfo

Segui para a Champs Elysées e o Arco do Triunfo. Sim, é uma bela caminhada. Mas como conhecer bem Paris se não for andando? E a caminhada vale muito a pena. Apesar de a Champs Elysées ser uma avenida com lojas de grifes famosas e alta costura, você não precisa gastar fortunas para curti-la. Há vários cafés ao longo dela, onde você pode parar para tomar um expresso ou se deliciar com um creme brulee.
Continue seguindo a avenida e logo chegará ao Arco do Triunfo. Aí já não há como se perder. Rsrs.


DIA 2: Notre Dame, Centro Pompidou,  Place des Vosges, Casa de Victor Hugo e Place de la Bastille.

Dia 2

Descer na Estação Cité (metrô), passar pela Saint Capel e seguir para Notre Dame.

A visita a Catedral de Notre Dame é gratuita, no entanto se você quiser, há o áudio guia que você pode pagar logo na entrada. A história da catedral é riquíssima, mas não nego que o ponto alto (em todos os sentidos) para mim, foi a visita as torres. 
Para visitar as torres é pago o valor de 13 euros por pessoa no local. Mas para evitar a fila, você também pode comprar por R$ 49,50 via internet (site para compra: www.conexaoparis.com.br/lojinha/produto/notre-dame/). Vale a pena para conhecer as gárgulas de pertinho, como também pela linda vista do alto de Paris, que na minha opinião é a mais bonita (isso é muito pessoal, né?). Porém, seguem dicas muito importantes:

Dica I: a subida dos 400 degraus só vale se você tiver disposição e folego, por que cansa!

Dica II: Evite faze-la usando saltos (seus pés agradecem). Como também levar crianças (elas se cansam facilmente, choram e os pais não curtem o passeio).

Notre Dame

Curta o jardim da Catedral. É lindo e repleto de passarinhos.

Curta um pouco a ilha de Notre Dame. É super charmosa e com prédios públicos lindos. Também há várias lojinhas com suvenires.

Vista das torres de Notre Dame

Seguir para o Centro Pompidou (centro de artes modernas).

Seguir para Place des Vosges (é a mais antiga praça planejada em Paris, construída em 1605). Nela está a casa onde morou Victor Hugo e hoje é um museu.

Próximo a Place des Vosges está a Place de la Bastille (hoje é o local onde foi a prisão) e que fica ao lado da Opera Bastille.

Terminei meu dia na Opera Bastille pois havia me programado para assistir um espetáculo. Para saber a programação da casa, basta visitar o site (www.operadeparis.fr). Dica: assistir uma opera em Paris é uma experiência que vale a pena! Então, bom espetáculo! 


DIA 3: Dia Especial e todo para o Louvre.

Pirâmide do Louvre

Ir a Paris e não conhecer o Louvre: FAIL. E sim, o Louvre merece um dia inteiro dedicado a ele. No entanto, preciso passar umas boas dicas para você aproveitar essa experiência ao máximo:

Dica I: Evite fila no Museu do Louvre e compre seu ingresso antecipadamente via internet. Site: www.musement.comwww.musement.com . Comprando pelo site, você deverá imprimir o voucher, leva-lo até o endereço informado no site (próximo ao museu) e assim apanhar o seu ingresso. Pode parecer um trabalhão, né? Mas acredite: compensa para não enfrentar a fila que é tão gigantesca quanto a da Torre Eiffel, se não, até maior!

Dica II: Para trocar o seu voucher pelo ingresso, desça na Estação (metrô) Palais Royal Musée du Louvre. Obs: fique atento ao site, pois o endereço pode ser alterado.

Dica III: O museu é enorme, então acredite: um dia é pouco para conhece-lo completamente. Sendo assim, oriento a quem nunca o visitou a entrar no site www.louvre.fr e mapear os pontos de maior interesse no museu. Pois se tentar conhecer tudo, talvez não tenha tempo suficiente para apreciar as obras ou artefatos que mais o interessam.

Dica IV: Dentro do museu há algumas lanchonetes (comida mais ou menos e cara). Mas o que nem todos sabem é que você pode sair do museu para almoçar. Basta apresentar o ingresso novamente no retorno. 

Dica V: O que não faltam em Paris são restaurantes e cafés. E um que indico próximo ao Louvre é o Café Le Carrousel, ao lado de uma loja Haagen Dazs na rue Rivoli. Servem comida boa a preço justo.

Dica VI: Se você quiser aproveitar mais ainda o Museu do Louvre, agende sua visita em uma quarta-feira. Neste dia o museu tem o horário de funcionamento estendido até as 21h.


DIA 4: Opera Garnier, Galeria Lafaiate,  Igreja La Madeleine, Place Vendôme e Jardim de Tuileries.

Mapa de referência do quarto dia do roteiro

Descer na Estação Ópera (metrô).

Visitar a Opera Garnier .  A visita custa 7 euros por pessoa e pode ser comprado antecipadamente por meio do site www.operadeparis.fr.

Opera Garnier

Segui para a Galeria Lafayette. A famosa e luxuosa galeria de compras de Paris, fica na esquina da Rua Halévy com a Boulevard Haussmann.

Depois segui para a Igreja La Madeleine, visitando-a por dentro (entrada gratuita www.eglise-lamadeleine.com) e depois Place Vendôme.

Terminei meu dia caminhando pela avenida Rivoli até o Jardim de Tuileries.


Dia 5: Chatêau di Versailles, outro local que merece o dia inteiro (ou mais) dedicado a ele.

Salão dos Espelhos - Palácio de Versalhes

Quando falo um dia ou mais dedicado a conhecer o Palácio de Versalhes, não é a toa. Os palácios e os jardins são enormes e por essa razão, no site oficial do palácio, se encontram ingressos em vários formatos: de um dia a um ano. 

Como a maioria de nós só terá um dia a visita-lo vamos a dicas válidas para aproveitar ao máximo essa visita:

Dica I: Compre o ingresso antecipadamente direto do site oficial: es.chateauversailles.fr . Fazendo isso, já evitarão metade da fila (vocês já perceberam que eu detesto filas, né?)

Dica II: Chegue de manhã para aproveitar ao máximo.

Dica III: A maioria das pessoas começam a visita pelo palácio principal. Eu fiz o contrário e acho que deu muito certo. Comecei a visita pelos jardins, que são enormes e conhecer a pé, até mesmo para mim que gosto de caminhar, foi bastante puxado. Então, nos fundos do palácio você pode apanhar uma jardineira que faz o percurso Palácio – Trianon. 
Essa jardineira passará por boa parte do jardim.
No próprio jardim, para melhor conhece-lo, você ainda pode alugar bicicletas ou carrinhos de golf. Então, desta forma, comecei meu tour pelos jardins, depois segui para o Trianon e por último o palácio, já a tarde. Então quando fui, o palácio já estava bem mais vazio e fiz uma visita mais confortável.

Dica IV: Dentro do Palácio tem um Angelina (rede de cafés muito conhecida na França) que sempre está lotado. Então o meu “pulo do gato” para evitar filas muito longas, preço alto e desconforto é almoçar no jardim. Lá há dois restaurantes e o meu favorito é o La Flottille. Inclusive a sopa de cebola (prato típico francês) de lá é uma delícia!


DIA 6: Montmartre: Basílica Sacre Coeur, Moulin Rouge, Muro do “Eu te Amo”.

Moulin Rouge

Este é um cantinho boêmio de Paris. Repleto de bons cafés e restaurants, como também cabarés, casas de streep tease, sex shops e afins. Então se você estiver com uma vovó mais conservadora viajando junto, evite leva-la, pois ela passará o passeio com os olhos arregalados (risos). 

Para chegar na Basílica de Sacre Coeur, desça na estação (metrô) Château Rouge ou Lamarck. É muito fácil encontra-la não só pelo tamanho mas também por conta do fluxo de pessoas. Então, se não ver a igreja, siga o fluxo que vai dar certo. 


Dia 6


A Basilica Sacre Coeur  fica no alto de uma colina. Então você pode subi-la pelas escadas ou pelo Funiculare.  A entrada é gratuita na basílica é gratuita.

Dica I: não tive uma boa experiência na subida pelas escadas. Um grupo de jovens abordou a mim e meu marido, tentando vender uma peça de artesanato barata. Nos negamos a comprar, eles continuaram a insistir. Meu marido para se livrar da situação abriu a carteira para dar um trocado e no ato um dos rapazes “meteu” a mão na carteira e praticamente nos roubou 50 euros. Foi horrível! Então, não só lá, mas em outras cidades da Europa, há abordagens parecidas. Muito cuidado sempre! 

Depois da basílica, segui para a Place des Tertres, que é uma praça com os pintores, caricaturistas. Lá há vários artistas de rua, expondo, pintando, tocando algum instrumento.
Dica: você pode ter uma caricatura sua, mas o preço é salgado.


Para chegar no Moulin Rouge (Boulevard de Clichy) desça na estação de metrô Blanche e logo verá o cabaré. Caso queira assistir alguma apresentação é imprescindível comprar os ingressos antecipadamente no site www.moulinrouge.fr.

Dia 6

A direita do Moulin Rouge, há a rue Lepic, uma rua de comércio alimentar, tipicamente parisiense. Há quitandas, cafés, açougues, lojas de vinhos etc. No número 15 da rue Lepic, está uma das maiores estrelas do bairro junto ao Moulin Rouge: o Café Deux Moulins do filme da Amélie Poulain!

Siga a rue Le Pic até o final e chegará na rue des Abbesses e sinta o charme desse cantinho especial de Paris. Dica: Entre o fim da rue Le Pic e a Place Abesses, há cafés maravilhosos. Invista umas horinhas em algum deles, apreciando vinhos, queijos e frios.

Continue seguindo na rue des Abbesses e chegará na Place Abesses. Lá você encontrará o Muro do Eu Te Amo (Le Mur des Je t’Aime). Trata-se de uma parede onde a frase Eu te Amo está escrita em mais de 300 idiomas. 

Mais 5 boas dicas de Paris:

Torre Eiffel


1. A malha do metrô é muito ampla, então aproveite!

2. Se for utilizar bastante o metro, compre os pacotes de 10 tickets ou mais. Fica ainda mais em conta!

3. Para economizar: em restaurantes ou cafés, não compre água, peça água da torneira. Sim, água da torneira! Não é “feio”, é seguro e todo mundo faz. Inclusive, alguns restaurantes só servem água da torneira, pois acreditam ser ecologicamente incorreto gerar resíduos na produção de garrafas, já que há água de qualidade de graça.

4. Em Paris beba vinho ou champanhe. O preço é similar ao da água engarrafada. Olha aí mais um motivo para beber água da torneira! (risos).

5. Quando for reservar o hotel, preste atenção se há banheiro no quarto. É muito comum não ter.

6. Em todo lugar temos que tomar cuidado. Então é muito comum em metrôs ou pontos turísticos, ouvir o lembrete de “cuidado com os pertences, batedores de carteira”. Além disso, cuidado com as abordagens de vendedores ambulantes. Mas principalmente: não se desencoraje por conta dessas observações. O mundo é lindo e não podemos perder a oportunidade de conhece-lo por causa do medo!

Espero que seja de grande ajuda.

Se gostou, deixa o seu cometário. Se não, deixa também! :)

Suzy Braga





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...